24 março 2010

Viva a Poesia


O Lev’ Arte é um Movimento Literário que tem a Poesia por ponte e veículo de deslocação para atingir os seus fins; tem por objectivos o incentivo à leitura, criatividade artística, ao gosto pela literatura, bem como a criação de condições para o surgimento de novos talentos literários e a publicação das suas produções artísticas. No dia 21, data promulgada pela UNESCO para ser celebrada como Dia Mundial da Poesia, os levarteanos brindaram a plateia com muita animação.

O que algumas vozes disseram sobre a poesia:

A poesia como manifestação artística e subjectiva, de interpretação personificada e individualista é, num outro ângulo, uma terapia do ego. É uma breve viagem aos recônditos do íntimo. Uma contemplação espontânea do indivíduo relativamente a si próprio. A poesia traduz forte sensação de lazer, e guerra ao mesmo tempo; traduz uma esperança bailarina que não exclui o prazer de dançar com o desespero no mesmo recinto de encenação que é o papel. A poesia traduz os sentidos ausentes no presente; celebra o elo do passado com o futuro. (João Papelo)

A poesia, no seu sentido mais restrito, parte da linguagem verbal e, através de uma atitude criativa, transfigura-a da sua forma mais corrente e usual (a prosa), ao usar determinados recursos formais. Em termos gerais, a poesia é predominantemente oral - mesmo quando aparece escrita, a oralidade aparece sempre como referência quase obrigatória, aproximando muitas vezes esta arte da música. (Wikipédia)

"Mas o que vou dizer da Poesia? O que vou dizer destas nuvens, deste céu? Olhar, olhar, olhá-las, olhá-lo, e nada mais. Compreenderás que um poeta não pode dizer nada da poesia. Isso fica para os críticos e professores. Mas nem tu, nem eu, nem poeta algum sabemos o que é a poesia." (Garcia Lorca)

"A poesia é a arte de materializar sombras e de dar existência ao nada." (Edmund Burke)

"A poesia é a música da alma, e, sobretudo, de almas grandes e sentimentais." (Voltaire)

“Doce poesia

Rosto opaco
Olhar subjectivo
Signos de Paz
Caminhos da alma
Na mudez da noite
Rasgada na Mente
Labirinto de Amor
Suor da caneta
No papel da Mente
Oh doce poesia”
(Nguimba Ngola in Mátria)

4 comentários:

Soberano Canhanga disse...

Mano,
Passei. Primeiro vim conhecer a "casa" das ideias. Depois vou aos poucos frequentando para saciar a sede que tenho de uma boa poesia e prosa, aqui contidos.
Canhanga

lita duarte disse...

Que gente bonita!
Que palavras maravilhosas!

Abraços.

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Caro Nguimba, VIVA A POESIA, concerteza!!!
Estamos juntos.
Kandandu!

Nguimba Ngola disse...

Estamos juntos caro Namibiano.
Obrigado Lita duarte, valeu a visita.
Soberano Canhanga, visite sempre mano.

Um abraço aos amigos e amantes das letras.