29 março 2010

Folha8 15 anos na Cultura


Era, na sua génese, literalmente só folha. Foi a impressão com que ficara do novo bissemanário. Passaram os anos e as dificuldades foram-se diminuindo apresentando-nos já um jornal com uma qualidade visual mais atraente. É o folha 8, o semanário.

Aprendi a gostar de ler, pois sempre me sussuravam ao ouvido, “cuidado com esses jornais fofoqueiros”. Eu queria desvendar as ditas fofocas. Comecei a ler compulsoriamente o semanário e por fim gostei da sua linha editorial mais propriamente a página cultural com a qual me identifiquei. Considero o Folha 8 um órgão de informação generalista, independente, vocacionado para as reais questões de Angola e não só.

A página cultural, tem sido um espaço de veiculação das questões culturais do nosso país e não só. Nela, tenho com prazer acompanhado uma variedade de informações.

No espaço poético, leio com prazer os poemas de jovens poetas e de poetas consagrados. Foi o espaço que me prendeu desde a primeira hora. Eu queria publicar meus poemas e recorri-lhe com regularidade. Tenho estado a ver divulgado muitos textos poéticos, alguns ainda não bem conseguidos e outros já com uma dimensão poética madura.

São tantos os artigos que me prenderam ao longo destes anos a ler o Folha8, lembro-me da série recente de artigos sobre escritores universalmente consagrados e pude aprender bastante. Informações sobre lançamentos de livros, breves análises de obras literárias e opiniões sobre a música e o teatro, artes plásticas e outras manifestações culturais.

Além desses, há o espaço Mitosofia em que Patrício Batsikama nos transmite muito conhecimento. Lembro-me agora do texto sobre “O Reino do Ndongo na literatura histórica Kongo” ainda “Em nome de Alla, corte-lhe a mão” e muitos outros artigos de interesse geral.

Não abro mão ao espaço “A língua na boca dos falantes”, superinteressantes dicas de como falar bem a Língua que nos foi imposta pelo colonizador. Quantos erros cometemos? E lá vem o André Mateus a ajudar-nos com suas dicas.

Tem sido uma experiência interessante ler e contribuir para este semanário na sua página cultural. Pude, com o convite do Editor Cultural, o estimado Nvunda Toné, publicar vários artigos, a título de exemplo, “A juventude e sua expressão cultural”, “A decomposição da humanidade e a sobrevivência de Simba Ukolo” entre outros textos.

Só tenho a desejar continuado sucesso ao Folha 8.

2 comentários:

Carmela disse...

Parabéns!!

Bjao

TECELÃ disse...

O que é bom precisa permanecer.

Parabéns.