27 maio 2010

não posso escrever o poema que sinto no peito


"...Silêncio nas consciências

Silêncio no pensar

Silêncio na madrugada

Silêncio

Silêncio nas massas populares

Silêncio no coração dos camponeses

Silêncio no quartel do guerrilheiro

Silêncio nos canos das armas vazias

Silêncio

Silêncio na pergunta

Silêncio na resposta

Silêncio na noite maliciosa

Silêncio no esperar."



 "...O meu poema não sei escrevê-lo também


não posso escrever o poema que sinto no peito

por serem vários os versos.

São tantos os autores do meu poema

e versos assim trazem rima doutra inspiração."



Extractos de dois poemas de Nito Alves. Foto da net.

4 comentários:

FREITAS disse...

Olá.
Passando para conhecer o blog.
Parabéns, tem aqui um bom espaço.

Abraços

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Todo o poeta tem sempre um poema cativo... este "não posso escrever o poema que sinto no peito" é muito especial...
Obrigado pelo poste, Poeta!
Kandandu e paz nas consciencias... para quem a tiver!!!

joao disse...

Prazer em conhecer um escritor que fala tão bem sobre o deserto.

Abraços.


João D. Jr.

Anónimo disse...

eu irei deixar uma poesia para vc

quando acordares
pela manhã
lembre-se que a
beleza do mundo
jamais sera completa
100 vc !!!