19 junho 2011

E lá fora os cães (um cheirinho do livro...)



Nosso itinerário levara-nos a discoteca 2V , local famoso da Cidade no bairro Olhamar. Dançamos duas musicas sensuais. Ela balançava a mbunda ao ritmo da música e eu mantinha-me de pé com movimentos mínimos minhas mãos na cintura dela e a puxava ritmado para mim. Cada vez que roçava em mim, meu mastro dava pulos alegres dentro da jeans.

- Amor vamos embora, já não suporto ver como as mijonas aqui te comem com os olhos.




- Não ligues nenhuma para elas. Não chegam aos teus pés.




Falei mas olhando para a menina de calções curtos que me seduzia com olhares maliciosos. Vi a tatuagem dela na cintura, parecia ser a imagem de um penis que prolongava para além do calção. A curiosidade tomou conta de mim, queria ver o desenho todo para ver onde terminara o prepúcio mas a Chutada estava irritada e, arrastou-me para fora com palavras ofensivas.
De continua diversão, era o cenário do lado de fora da discoteca. Casais aos beijos, jovens perfilados a espera de hamburgueres. As garrafas vazias dançavam sorridentes no asfalto. Alguns policias mais adiante mandavam parar os meninos em fugidias motoboys. Seguimos contra minha vontade pois eu queria continuar la dentro contemplando a menina da tatuagem. O quarto da pensão no bairro burgues esperava por nós.






A Chutada estava com vontade, as birras estavam a subir-lhe à cabeça e estava ardendo entre as pernas, estava certa a dra Maria Manuela que dizia que a ingestão crônica de grandes quantidades de álcool por períodos prolongados de tempo, agride directamente as glândulas sexuais, provocando sua atrofia. O álcool pode aumentar o desejo, mas prejudica o desempenho e a mim não apetecia nada e sentia-me irritado quando ela me tocasse. Tirei a camisa branca e pendurei-a sobre a porta do roupeiro que gritava de dor, ja era sem tempo nova mobilia naquele quarto que escondia muitas imagens. Imagens de senhores mais velhos com duas meninas adolescentes a lamberem-lhe gostoso os genitais, imagens de mulheres casadas receiosas de serem apanhadas pelos maridos também promíscuos, imagens de sexo violento, aventuras sexuais de só ver em filmes pornográficos. Pensei na Sofia Ana, a minha amada que a procuro nas nuvens, a única mulher que fez pular um dia meu coração. A Chutada toda ela enérgica revira-me e puxa assanhada a calça.




- Mexa-se homem que estou pegando fogo. Ela sussurava.




Ganhei alguma energia e cedi, os afagos e outras fantasias fluiam e já me sentindo em prontidão é quando na verdade estava distante do momento, o mastro desobedeceu e caiu flacido entre as pernas da Chutada que começara com os gemidos – não tira essa merda sacana, me dá para valer – em vão, o coiso morrera. Foi então que vi os dedos dela a jogarem toda a frustração na minha cara.

2 comentários:

Nguvulu Makatuka disse...

Excelente!! Muito bom mesmo, amigo. A narrativa é dinâmica e magnética, cheia de flagrantes da vida real, tal como ela acontece na nossa sociedade - oferecidas por um actor/narrador sem falsos pudores e sem medo de expor o íntimo do seu âmago enquanto homem.

Soberano Canhanga disse...

Grande texto. Dá vontade de devorar o livro.